A demanda por serviços de Planejamento Previdenciário está crescendo bastante nos últimos anos.

Você que já usa o Cálculo Jurídico pode oferecer esse serviço de uma forma simples, intuitiva e muito eficiente. 

A funcionalidade exclusiva: “DIBs no Futuro” já está no ar na versão Beta!

Nessa nova opção a simulação de cenários no futuro está ainda mais rápida.

Ainda que o seu foco seja analisar rapidamente apenas quando os requisitos vão ser preenchidos, seu cliente vai continuar contribuindo, certo? 

Então, você pode analisar vários cenários no futuro e ao mesmo tempo simular RMIs futuras para diferentes espécies de benefício. 

Assim, é possível definir a melhor estratégia de contribuição entre essas três opções:

  • Salário Mínimo
  • Valor fixo  
  • Teto

Agora vou te mostrar como fazer isso no CJ!

Primeiros passos

Comece seu planejamento com o cenário atual da vida contributiva do seu cliente!

Então, crie um “Novo Cálculo”, importe o CNIS ou adicione os Períodos e Salários de Contribuição incontroversos.

Assim, você vai analisar os resultados de:

  • Requisitos por Espécie (Carência, Idade, Tempo de Contribuição, e Pontos)
  • RMI simulada com os Requisitos e Salários de Contribuição atuais

Pronto! Você já vai ter em mãos o cálculo preciso do cenário atual.

Se o seu cliente não completou os requisitos em nenhuma espécie de aposentadoria, fique de olho na “Data Prevista para Aposentadoria”, porque ela pode ser um bom parâmetro pro seu Planejamento Previdenciário. 

Ah, lembre-se que esta data é uma estimativa! 

DIBs no Futuro - "Beta"

Para encontrar essa funcionalidade, você deve passar pelas seguintes telas: 

  1. Configurações iniciais
  2. Tempo de contribuição 
  3. RMI 
  4. Análise Multi-DIBs → “DIBs no Futuro - Beta” 

Essa tela apenas será exibida se você concluir as etapas anteriores.

Agora você vai criar o Planejamento Previdenciário.

Mas isso não é tudo!

O grande diferencial do CJ são os exclusivos cálculos de do Imposto de Renda (IR) e do Retorno do Investimento. 

Já vou mostrar como eles funcionam e como você pode aproveitar essa vantagem, mesmo que seu foco seja uma análise rápida dos requisitos.

Agora você vai conferir o guia pra configurar seu cálculo e vou explicar as premissas de cada etapa, vamos lá?

Então escolha as próximas configurações sem medo e você pode alterar os dados quando quiser concluir um Planejamento mais completo!

Obs.: Essa opção "Beta" continua passando por uma bateria de testes automáticos e rigorosa auditoria, então contamos com sua ajuda caso algo não esteja claro, tudo bem? 

Requisitos

Período de contribuição simulado

O CJ considera que todas as contribuições em andamento acabam na DIB preenchida nas Configurações Iniciais do cálculo (“DIB Original”).

Então, o programa insere internamente um Período de Contribuição simulado desde a “DIB Original” do cálculo até a “DIB Futura” escolhida para análise, 

Tipo do Período: Normal ou Especial?

Você pode escolher o “Tipo do período de contribuição futuro” nesse menu para simular o Tempo de Contribuição com ou sem fatores de conversão.

Carência

A contagem de carência  acompanha o período de contribuição preenchido.

Idade

O CJ calcula a idade do cliente em cada “DIB Futura” escolhida.

Salários de Contribuição

O CJ projeta contribuições no Salário Mínimo e no Teto usando os valores vigentes na data do cálculo.

Você só deve decidir um “Valor fixo” de contribuição, preenchendo os campos:

  • Valor do Salário de Contribuição - Adicione o valor sobre o qual seu cliente vai contribuir para o INSS no futuro.
  • Percentual pago ao INSS (%) - Adicione a alíquota de contribuição conforme a categoria do segurado.

    Ah, não esqueça que se você escolher alíquotas reduzidas para o contribuinte individual, o segurado perde o direito à Aposentadoria por Tempo de Contribuição

Índices

O programa vai usar os índices econômicos disponíveis até a “DIB Original”. Os índices de atualização futuros serão considerados como 1 para fins de simulação.

Imposto de Renda

Quanto de IR a mais seu cliente irá pagar até a DIB. 

Neste caso, estamos comparando com o IR que ele pagaria contribuindo apenas sobre as "outras rendas tributáveis declaradas".

Afinal, a renda sobre a qual incide a contribuição previdenciária atual do seu cliente pode ter incidência de Imposto de Renda, certo?

Tenha em mente que se você vai aumentar o valor da contribuição previdenciária, isso significa declarar ao Fisco que o seu cliente recebe um pagamento maior do que ele recebe hoje. Afinal, a remuneração as atividades é a base de cálculo da contribuição ao INSS!

Logo, o aumento do valor dessa contribuição vai causar um impacto imediato no Imposto de Renda do cliente, criando um valor que vamos chamar “IR Adicional”.

Então, hoje seu cliente pode:

  • Estar na faixa de isenção (“IR Atual”) e passar para a alíquota de 15% (“IR no Futuro”)
  • Recolher a alíquota de 7,5% (“IR Atual”) e passar para a alíquota 22,5% (“IR no Futuro”)

O CJ calcula a “IR Adicional” usando a diferença entre esse “IR no Futuro” e o “IR Atual”, valor que ele já pagaria com as rendas atualmente tributáveis.

O Imposto de Renda calculado no Planejamento Previdenciário utiliza como base o valor da remuneração tributável mensal. Variações de renda durante o ano e montante total anual podem interferir na alíquota de recolhimento do IR e não estão previstas no cálculo!

Total Investido

No planejamento o valor das contribuições futuras é visto como um “investimento”.

Então o CJ calcula o valor que o seu cliente vai gastar:

  • Total de contribuições (INSS) que seu cliente vai gastar em cada projeção de Salários de Contribuição
  • Valor extra de IR (“IR Adicional”), considerando o valor do Salário de Contribuição e rendas inseridas no campo “Outras rendas tributáveis declaradas”

Essa diferença no valor do imposto de renda que chamamos de “IR Adicional”.

Retorno do Investimento

O CJ vai mostrar em quanto tempo seu cliente irá recuperar o total investido de INSS e IR, considerando os valores que serão recebidos de RMI a partir de cada DIB Futura.

Essa informação será exibida em meses no campo “Tempo para recuperar (meses)”.

Ficou mais claro, agora? Então comece logo seu cálculo!

O Planejamento Previdenciário vai potencializar os lucros do seu escritório e você vai sair na frente com essa ferramenta em mãos, calculando todas essas variáveis em poucos passos!

Encontrou sua resposta?