O Cálculo Jurídico utiliza a forma de cálculo e base de índices orientada pela legislação, a mesma que o INSS utiliza em 99% dos casos.

Quando existe alguma diferença entre o cálculo do INSS e do CJ normalmente se deve a:

  1. Data do cálculo. Essa data traz muitas consequências em todos os tipos de cálculo, porque condiciona desde quais parâmetros de índices são aplicados até a quantidade de parcelas vencidas e vincendas.
  2. Sexo e data de nascimento do cliente. Confira sempre se o sexo e a data de nascimento do seu cliente estão corretas. Um erro de preenchimento nessas variáveis vai alterar diretamente o resultado dos cálculos de tempo de contribuição, RMI e valor da causa.
  3. Períodos de contribuição. Para conferir esta diferença basta olhar se na carta de concessão o tempo de contribuição utilizado pelo INSS é o mesmo que consta no CJ. Se não for o mesmo, é bem provável que o INSS não contou algum período que seu cliente tenha direito ou mesmo que algum período não foi lançado no Cálculo Jurídico.
  4. Períodos que contam para carência. Confira cada período do seu cálculo e veja se ele está ou não contando para carência. É normal passar batido pela carência, mas ela pode modificar o resultado do cálculo previdenciário.
  5. Períodos especiais e rurais. Lembre-se de sempre considerar todos os períodos especiais e rurais pertinentes ao caso do seu cliente. Volte pro cálculo de tempo de contribuição e veja se os períodos foram lançados com o tipo correto (NORMAL, ESPECIAL 25, ESPECIAL 20 ou ESPECIAL 15).
  6. Salários de contribuição. É normal o INSS utilizar alguns salários de contribuição menor do que consta no próprio CNIS. Para conferir esta diferença é necessário olhar período por período, confrontando o que está na carta de concessão e o que de fato seu cliente tem direito.
  7. Conversão inversa. A conversão inversa é calculada quando a opção Converter período normal em especial antes de 28/04/1995 é marcada nas configurações iniciais. Selecionando essa opção, os períodos com fator 1 (comum, normal) anteriores a 28/04/1995 serão convertidos em períodos especiais. Atenção: Essa conversão não está sendo deferida atualmente nos tribunais.
Encontrou sua resposta?